sábado, 21 de julio de 2012

BRASIL:¨Para vender biodiesel basado en Jatropha, hace falta contínua Ciencia & Tecnología & Innovación

Embrapa Agroenergía ( Entidad gubernamenteal de investigación de Brasil)  estudia en abril 2011, mientra que Viridas Enterprises Brasil  asociada con INEOS ENTERPRISES (ambas del Reino Unido) anuncia inversión en Brasil para vender anualmente 60.000 tons de Jatropha por diez años  empezando en el 2013.


ESTO HACE  EMBRAPA:

Pinhão-manso: cultura para uso como fonte de energia fomenta pesquisa (15/04/2011)
  • Send this page to somebody
  • Print this page
Daniela Collares
Pinhão-manso: cultura para uso como fonte de energia fomenta pesquisa
Na primeira quinzena de abril, ações de pesquisa, desenvolvimento e inovação com matérias-primas alternativas para o biodiesel foram discutidas na Embrapa Agroenergia (Brasília/DF) com pesquisadores e técnicos de outras unidades da Empresa e instituições parceiras. Pinhão-manso, dendê e palmeiras oleíferas são alternativas que a Embrapa, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento vem estudando para que se firmem com o objetivo de, a médio prazo, abastecer o Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel - PNPB.


O pinhão-manso (Jatropha Curcas L.) foi uma das culturas que esteve na pauta dos temas debatidos. Em relação a essa oleaginosa, a reunião que ocorreu nos dias 14 e 15 de abril, fixou-se nas atividades do projeto BRJATROPHA, ("Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação de Pinhão-Manso para Produção de Biodiesel"). Esse projeto, iniciado no ano passado, que conta com financiamento parcial da Finep, tem término previsto em 2013.


No BRJATROPHA estão em execução ações de pesquisa em todas as regiões brasileiras, incluindo melhoramento genético, práticas agronômicas, produção do biodiesel e destoxificação da torta do pinhão-manso, explica Bruno Laviola, pesquisador da Embrapa Agroenergia e líder do Projeto. Para realizar essas atividades, a Unidade conta com a parceria de 21 instituições, sendo 15 unidades da Embrapa, 5 universidades e uma Empresa de Pesquisa Agropecuária estadual.


Um dos participantes da reunião, o pesquisador e professor da Universidade Federal de Tocantins, Eduardo Lemos, mencionou os dados de experimentos no município de Gurupi/TO, com adubação, fithormônios e herbicidas. “O principal problema que encontramos é o ácaro branco”, diz o professor. Em relação às doenças, não foi detectada nenhuma que afete economicamente o cultivo. Para ele, o pinhão-manso é uma espécie de muito potencial para o Estado, onde, embora não chova durante praticamente cinco meses do ano, a planta não sofre danos significativos. Ao contrário, há um estímulo de floração logo após o início das chuvas. “Nos experimentos, a cultura demonstrou uma produtividade em torno de 1.000/Kg/ha”.


No Semiárido nordestino, depois de cinco anos de experimentos com pinhão-manso, o pesquisador da Embrapa Semiárido (Petrolina/PE), Marcos Drummond, informou que um dos principais gargalos do cultivo está na colheita. Os frutos amadurecem desuniformes, o que prejudica e aumenta o custo da mão-de-obra. “Enquanto não se resolver este problema a cultura fica inviável economicamente. O trabalho de melhoramento genético é fundamental para obter uniformidade na maturação dos frutos. Também é necessário estabelecer modelos de sistemas de produção”, reforça Drummond. Nesta região com precipitação de 500 mm é inviável produzir economicamente sem irrigação. Nos experimentos, após repetição de quatro anos, tem-se observado uma produtividade de 4 mil/kg/sementes/ha, onde estão sendo fornecidos 20 litros de água por semana. Nas mesmas condições, mas sem irrigação, a produtividade não chega a 300/kg/sementes/ha. “Esses dados mostram que o pinhão-manso tem potencial. Só precisamos ajustar a cultura às condições ambientais”, comprova Drummond. Comparada as outras espécies, o pinhão-manso apresenta menor demanda de água, porém necessita de um suprimento regular ao longo do ano.


A reunião foi importante para avaliar o andamento das ações de pesquisa, bem como definir estratégias para assegurar o cumprimento de todas as metas previamente estabelecidas. Ao longo dos próximos anos do projeto, serão realizadas outras reuniões com os parceiros, visando avaliar o planejamento e ajustar as atividades de acordo com os resultados atingidos, disse Laviola.


ESTO HACE VIRIDAS :


RNS Number : 0942K
Viridas PLC
15 December 2008


VIRIDAS AND INEOS ENTERPRISES SIGN TEN YEAR JATROPHA AGREEMENT

Viridas is pleased to announce that the strategic partnership with INEOS Enterprises announced on 17 April 2008 has led to the signing of a Ten Year Jatropha Oil Supply & Development Agreement [the Agreement]. The Agreement between Viridas Enterprises Brazil Limited [Viridas], a wholly-owned subsidiary of Viridas plc, and INEOS Enterprises covers the supply of jatropha oil to be produced by Viridas from its plantations in Brazil. INEOS Enterprises will use the jatropha oil as a raw material in its biodiesel production processes.
Under the Agreement INEOS Enterprises will purchase up to 60,000 tonnes per annum of jatropha oil, once commercial levels of production have been reached. The price is based on an agreed formula and with Viridas having the right to sell the jatropha oil in the market in certain circumstances, once obligations to INEOS Enterprises have been met. Under the agreement, INEOS Enterprises may exercise a break clause 2 years after commencement of commercial levels of production.
The Agreement with INEOS Enterprises underpins Viridas's plans for the implementation of a fully mechanised, industry scale, crude jatropha oil production business in Brazil, as outlined in the Chairman's Statement in June.
Viridas is now reviewing options to finance the initial stage of its plan to purchase, plant out and manage 30,000 hectares of jatropha crop in Brazil, with a view to commercial levels of production of jatropha oil coming on stream in 2013.
Stanley Wootliff, Chairman of Viridas plc, commented:-
"We are delighted with the outcome of the partnership entered into with INEOS in April, which has proved invaluable to us in gaining a thorough understanding of the requirements of potential customers in the European market for jatropha oil. Signature of the Agreement now will enable us to develop our strategy in the knowledge that we have a credible development partner and have secured the sale of our anticipated output of jatropha oil during the critical initial phases of production.
Dr Harry Deans, CEO of INEOS Enterprises, comments:-
"Moving from development phase to supply agreement with Viridas is a further step in our long term strategy to secure sustainable, low carbon feedstock for our biodiesel business. The expansion of our jatropha interests is a clear demonstration of ongoing commitment to our announced biodiesel strategy. We strongly believe that working with credible front end suppliers such as Viridas, who have the vision and ability to produce sustainable, low carbon feedstock, will help to establish biodiesel as the key alternative fuel for transport."


For further information pleas contact:
Viridas plc: Stanley Wootliff- 0113 2350632
FinnCap: Matthew Robinson- 0207 600 1658
INEOS Enterprises: Craig Welsh- 01928 511 528


Editors Notes
About Viridas:
Since 2007, on its trial plantation in Minas Gerias, Viridas has been researching and developing agronomy techniques for the growing of jatropha on an industrial scale, for the production of Crude Jatropha OiL
Building on this experience Viridas aims to develop industrial scale jatropha plantations with both the agronomy and all aspects of production fully managed and controlled by Viridas on land which it owns or holds on long lease hold.
The Crude Jatropha Oil Viridas plans to produce is a sustainable, perennial non food vegetable oil from reforestation trees planted on idle land.
About INEOS Enterprises:
INEOS is the world's third largest chemicals company comprising 18 businesses each with a major chemical company heritage. The INEOS production network spans 70 manufacturing facilities in 14 countries throughout the world.
Part of the INEOS group of companies, INEOS Enterprises is a portfolio of eight leading businesses manufacturing chemical products in Northern Europe and Southeast Asia, with sales of these products to customers around the world. The Company is focused on developing needs of customers and rapid growth through investment in new products and manufacturing facilities or by acquisition. INEOS Enterprises has been manufacturing biodiesel in Europe since 1995 and has recently increased annual capacity to more than 250,000 tonnes.


This information is provided by RNS
The company news service from the London Stock Exchange

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada